Artigo

“Vinho só se desfruta com moderação”

 

Vinho só se desfruta com moderação. Essa frase diz tudo. Dispensa qualquer texto ou imagem para transmitir a idéia essencial. Ela é o feliz slogan de uma campanha realizada em toda a Europa que visa promover o consumo responsável e moderado de vinho e combater o consumo abusivo e impróprio de bebidas alcoólicas. Essa campanha é uma iniciativa do setor europeu do vinho e visa colaborar com as autoridades de saúde na marcha contra o consumo abusivo de bebidas alcoólicas na Europa. Ela conta com o compromisso e apoio de várias instituições como Comité Européen des Entreprises Vins (CEEV), Committee of Professional Agricultural Organisations in the European Union, General Confederation of Agricultural Co-operatives in the European Union, Confédération Européenne des Vignerons Indépendants (CEVI), European Advertising Standards Alliance(EASA) e Euro-toques International e Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV).

Consumir bebidas alcoólicas abusivamente é condenável e trágico. É uma das principais causas de morte violentas (acidentes e homicídios) e doenças evitáveis (cirrose, hipertensão arterial, cardiopatias, alguns tipos de cânceres e danos cerebrais). O consumo exagerado de bebidas alcoólicas por gestantes causa malformações severas no feto. Além dos prejuízos para a saúde, traz danos expressivos à família e sociedade. Todas as pessoas e instituições sérias e responsáveis devem se associar a todo tipo de campanha que vise coibir essa prática.

Porém, tão verdade como o consumo abusivo ser danoso é que o consumo leve, moderado e responsável de bebidas alcoólicas, sobretudo o vinho, por quem não tenha contra-indicação, é benéfico para a saúde.

Moderação no consumo é a chave. Mas a definição de consumo moderado é uma brenha. Os cientistas não têm consenso. Cada um tem sua própria opinião. Mesmo as autoridades sanitárias de diferentes países têm definições díspares sobre a dose segura. Ela é muito difícil de determinar porque depende de muitos fatores, tais como: idade, sexo, peso corporal, quantidade de enzimas que metabolizam o álcool, constituição gênica, padrão de ingesta, uso concomitante de alimentos e/ou medicamentos. Por isso o que é consumo abusivo para um, pode não ser para outro.  É difícil para a ciência precisar o que é seguro. Moderação é uma arte.

O Dr. Arthur Klatsky é um dos cientistas que mais estuda os efeitos do álcool na saúde humana. Talvez a idéia mais sensata de moderação no consumo de bebidas alcoólicas seja ele quem nos dá: “penso que até 20 gramas de álcool por dia (o equivalente a 200 ml de um vinho com 12,5% de álcool) para as mulheres e 30 gramas por dia (300 ml de vinho a 12,5%) para os homens se encaixa dentro da biologia da maior parte das pessoas”.

Consumir vinho abusivamente é infausto. Desse modo abdicam-se os prazeres organolépicos e renunciam-se os benefícios para a saúde que ele pode oferecer. Moderação (em tudo, não apenas no beber) é a arte de viver bem.

 

jairo@monson.med.br