Artigo

A influência do clima na safra da uva de 2003

Caracterização do clima da safra da uva de 2003 na Serra Gaúcha

Os elementos meteorológicos exercem grande influência sobre o desenvolvimento, a produção e a qualidade da uva da Serra Gaúcha. Essa influência ocorre em todos os estádios fenológicos da videira, ou seja, desde o repouso da videira (inverno), brotação, floração, frutificação, crescimento da baga (primavera), maturação (verão) até a queda das folhas (outono).
Para a caracterização do clima da safra de 2003 foram utilizados os dados meteorológicos e as normais climatológicas da estação agroclimatológica da Embrapa Uva e Vinho (Figura 1). Essa estação localiza-se na altitude de 640 m, e tem sido utilizada para caracterizar o comportamento da videira da Serra Gaúcha, embora a videira esteja sendo cultivada desde 200 m até 900 m de altitude.
Os dados meteorológicos da safra 2003 (de junho de 2002 a março de 2003), foram comparados com à normal climatológica 1961/1990 nos principais estádios fenológicos da videira, descritos a seguir:
a) repouso vegetativo- o inverno de 2002 (junho a agosto) apresentou somatório de 709 h de frio com temperaturas abaixo de 10 °C, enquanto à normal é de 657 h. Essa maior quantidade de frio possibilitou boas condições para a brotação da videira.
b) brotação- as videiras precoces começam a brotar no início de setembro enquanto as tardias iniciam a brotação no início de outubro. As temperaturas do mês de setembro foram pouco inferiores, já em outubro elas foram superiores à normal climatológica. A precipitação pluviométrica, em setembro, foi similar, enquanto outubro apresentou precipitação bem superior à normal. Essas condições propiciaram boas condições para a brotação da videira, e também favoreceram a incidência de doenças fúngicas da parte aérea da videira.
c) floração-frutificação- esse subperíodo iniciou na metade de outubro para as cultivares precoces e se estendeu até meados de novembro para as cultivares mais tardias. As maiores temperaturas e, principalmente, a maior quantidade de precipitação pluviométrica ocorridas nesse período, além de dificultar a floração e o pegamento do fruto, favoreceram a incidência do míldio (principal doença da parte aérea da videira nessa região). Essas condições dificultaram a aplicação dos tratamentos fitossanitários e a conseqüência disto foi a redução da quantidade de uva produzida na região.
d) maturação- este é o subperíodo que mais define a qualidade da vindima. As uvas precoces (Chardonnay, Pinot Noir e Gewürztraminer) iniciam a maturação no início de dezembro e são colhidas de meados ao final de janeiro. As uvas intermediárias (Riesling Itálico, Merlot) iniciam a maturação em meados de dezembro e são colhidas no final de janeiro-início de fevereiro. As uvas tardias (Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Moscato Branco) iniciam a maturação em meados de janeiro e são colhidas no final de fevereiro-início de março. Vinhedos localizados em regiões mais quentes (menor altitude, fundo de vales) antecipam a data da maturação enquanto vinhedos localizados nas partes mais altas (maior altitude, topo dos morros) retardam a maturação. Durante este subperíodo é importante para a qualidade tempo seco e ensolarado. Durante os meses de dezembro-fevereiro a insolação acumulada foi de 632 h, enquanto à normal para a região é de 668 h. Para este mesmo período a precipitação pluviométrica foi 682 mm e 423 mm, respectivamente. Portanto, a insolação ocorrida na safra 2003 foi um pouco inferior à normal, enquanto a precipitação foi bastante superior.
De um modo geral, essas condições propiciaram a ocorrência das podridões do cacho, principalmente nas cultivares mais sensíveis ou de cachos compactos, que impediram que as uvas alcançassem o ponto ideal de colheita (equilíbrio açúcar/acidez).
Resumindo-se, as condições meteorológicas da safra 2003 se caracterizaram por apresentar precipitação pluviométrica superior à normal climatológica, o que era esperado, pois, como havia sido anunciado pelos meios de comunicação com bastante antecedência, estaríamos sob a influência do fenômeno El Niño. Entretanto, é importante registrar que ocorreram períodos bem ensolarados e secos, como de 26 de dezembro a 3 de janeiro, 12 a 19 de janeiro, 25 de janeiro a 1 de fevereiro e de 11 a 19 de fevereiro. As uvas colhidas nesses períodos foram as que alcançaram melhor maturação e sanidade.

Veja os gráficos:

artigo_temperatura.jpg

 

artigo_precipitacao.jpg

artigo_insolacao.jpg

Comportamento meteorológico (temperatura máxima, média e mínima, precipitação pulviométroca e insolação) na safra de uva de 2003 em relação à normal climatológica (1961/1990). Bento Gonçalves, RS.
Fonte Embrapa Uva e Vinho

 

 

mandeli.jpg Francisco Mandelli
Dr. Agrometeorologia e também é confrade da confraria do vinho de Bento Gonçalves.